Número total de visualizações de página

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

sábado, 19 de fevereiro de 2011

Projecto Kid's Guernica


O projecto Kid’s Guernica surgiu em 1995, criado por Tom Anderson, professor de história de arte, e mais tarde com Tadash Yasuda, é um projecto multicultural internacional que pretende assinalar o fim da II Guerra Mundial e evocar os valores da paz e da não violência.
Kid’s é referente a crianças e Guernica porque os alunos terão de executar quadros com as dimensões de “Guernica”(3,5X7,8m) de Picasso, sendo que este quadro teve os mesmos objectivos deste projecto.
À temática da Paz, Tolerância, Solidariedade e Fraternidade, junta ainda o lema “A Floresta”, visto que 2011 é o Ano Internacional da Floresta.
A AMRS (Associação de Municípios da Região de Setúbal) acolheu esta proposta de trabalho e lança-a às escolas do seu município pela 3ª vez (clica aqui para ver o regulamento), para as turmas que queiram participar através da colaboração das Bibliotecas Escolares e dos professores de Artes em colaboração com a área curricular não disciplinar de Formação Cívica.
Mais uma vez a nossa escola irá participar neste projecto com o apoio da Biblioteca Escolar e com as professoras de Educação Visual e Tecnológica.
Desejo um bom trabalho a todas as turmas que já estão a participar neste projecto e que se inspirem nas postagens que tenho vindo a colocar neste Blog.
Bom trabalho!

O dia em que a mata ardeu

Como este ano (2011) comemoramos o ano internacional das florestas, alguns alunos estão a ler este livro do nosso amigo José Fanha. Vamos lá todos ler este livrinho simpático na nossa biblioteca.
Livro de José Fanha " O dia em que a mata ardeu" com ilustrações de Maria João Gromicho


"...O dia em que a mata ardeu é um livro para crianças como eu. Este livro conta-nos a tragédia de um incêndio na mata provocado por uma família de pássaros Bisnaus – que qualquer biólogo mais conhecedor da vida selvagem e dos livros do Fanha os conhece. Mas antes de chegarmos ao incêndio da mata, o José Fanha convida-nos a dar um passeio pela “…minha mata” acrescentando “Minha, minha, não é. Isto é só uma maneira de dizer… Como toda a gente sabe, a natureza não tem dono.” Um passeio com um poeta pela mata é sempre o melhor passeio, pois o Fanha conta-nos, com palavras muito especiais, todos as sensações, sons, texturas, cores etc. E ainda “Na minha mata, que é minha e de toda a gente, tenho alguns amigos especiais: O meu amigo esquilo Rabo Alçado e a sua família saltitona, o veado Venceslau com as hastes enormes, o Coelho Coisa Fofa com os 256 filhos da última ninhada, a coruja Miquelina, o ouriço Olegário e até um ratinho muito simpático chamado Zé Manel.” “Gosto de todas as árvores e plantas da minha mata. Sou amigo dos animais. Ouço a música que o vento faz entre os ramos, vejo a luz que atravessa a folhagem e sinto-me feliz!”. A história (tragédia) começa com um passeio desses pássaros Bisnaus à mata e vejam bem como este pássaros não são tão raros como nós queríamos desejar “Em vez de virem a pé, entraram com o carro pela mata dentro, a deitar fumo para o ar e com o rádio a fazer punca-punca-punca, punca-punca-punca, punca-punca-punca tão alto que até as nuvens tiveram de tapar os ouvidos para não ficarem malucas.” e ” Mal se instalaram, puseram-se logo a fazer porcaria. A filha Bisnica desembrulhou 19 hambúrgueres e encheu-os de molhos amarelos, azuis, verdes e vermelhos. O filho Bisneco comeu 32 pacotes de batatas fritas,…” e assim continuam os hábitos alimentares desses passarocos que no final atiraram todo o lixo para o chão e “O pai, de barriga a rebentar, sentou-se encostado a um tronco e pôs-se a fumar.” Já sabem onde isto foi parar..."
Retirado do site geometricas

O José Fanha é amigo da nossa escola!


Sim, o José Fanha é um escritor Português que passou pela nossa escola em Dezembro, uma actividade do Departamento de Língua Portuguesa.

As turmas do 6ºA e 6ºD fizeram uns cartazes de recepção ao escritor na disciplina de Educação Visual e Tecnológica, em interdisciplinaridade com a disciplina de Língua Portuguesa. Estes cartazes de recepção tiveram como base a leitura dos livros "A Porta" e "Diário inventado de um menino já crescido". A nossa querida Biblioteca adquiriu muitoooooooooooooooooooooooooosssss livros maravilhosos do nosso amigo José Fanha, que leu para nós e contou-nos histórias bonitas e divertidas da sua vida.


Obrigada por tudo José Fanha.




sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Moinhos que contam histórias...

Moinhos que contam histórias...

A história do nosso Navegador


As turmas do 6ºD e 6ºE estudaram, desenharam e construíram moinhos de vento, para comemorar o dia do Patrono. Foi criada uma instalação no jardim da escola, com a colocação de diversos moinhos de vento, com pormenores desenhados e escritos da história do Navegador Rodrigues Soromenho. A turma do 6ºA também colaborou para esta instalação, pois as canas de suporte dos moinhos foram apanhadas e tratadas por esta turma.

Obrigada aos alunos destas turmas que desenvolveram esta unidade de trabalho na Disciplina de Educação Visual e Tecnológica.

Hino da Nossa Escola

O nome é dum Navegante
que em nossa vila nasceu
foi tão grande viajante
nossa terra enalteceu

Foi um grande mareante
melhor mesmo é lembrar
foi Rodrigues Soromenho
e explorou muito mar

REFRÃO

Novas terras novos mundos
diferentes dos que deixou
só com saberes mui profundos
os descreveu, registou


Era um homem generoso
jamais Sesimbra esqueceu
e no mar mais tenebroso
com saberes sobreviveu

Que buscando em cada hora
segredos a revelar
e que pela vida fora
vamos sempre ouvir falar

REFRÃO
Novas terras novos mundos
diferentes dos que deixou
só com saberes mui profundos
os descreveu, registou

O Nosso Patrono

Mas afinal o que é um Patrono?



É uma personagem escolhida como "protectora" ou "defensora" duma instituição.

Essa instituição, no seu conjunto, identifica-se com essa personagem, com os seus valores e o seu posicionamento no mundo.


Porque é que foi escolhido o NAVEGADOR RODRIGUES SOROMENHO para Patrono da nossa escola?


Este processo iniciou-se há mais de uma década e consistiu numa longa pesquisa, consulta à comunidade escolar e procedimentos burocráticos. A partir de então, a escola retomou o nome da Escola Preparatória Navegador Rodrigues Soromenho, à qual este edifício, pertencente ao antigo colégio Costa Marques, se tinha anexado quando o 3º ciclo se tornou oficial em todo o país. Foram então escolhidos o logótipo e o hino da escola, em 2002.


Esta escola identificou-se com o espírito de abertura ao mundo, a coragem, o rigor e a força de carácter deste navegador sesimbrense, que não "perdeu" o "norte" em aventuras difíceis, nem esqueceu a sua terra natal na hora da sua morte, apesar da distância e do tempo volvido.

Texto da autoria do Departamento de Ciências Social e Humanas

Dia da Escola e do seu Patrono




Celebrámos hoje, dia 11 de Fevereiro, o dia da escola e do seu patrono, o Navegador Rodrigues Soromenho, que na nossa vila nasceu, no século XVI.

E que coisas notáveis terá feito o navegador, há mais de 400 anos, para merecer tal distinção?

Pois bem, depois de algumas viagens entre a Ásia e a América, tornou-se piloto e capitão-mor das armadas na carreira do Oceano Pacífico, por confiança do rei D. Filipe I de Portugal.

Descobriu, explorou e registou num notável roteiro, novas terras na América do Norte, como a baía de São Francisco na Califórnia, de que tomou posse.

No seu testamento, escrito na cidade do México em 11 de Fevereiro de 1602, refere Sesimbra como sua terra de nascimento, deixando por isso metade dos seus bens, à Santa Casa da Misericórdia de Sesimbra, para ajudar aos mais necessitados.

Tinha espírito aventureiro e um grande sentido de dever.

Foi um destemido piloto e capitão, com muitos conhecimentos na arte de navegar e que revelou uma enorme generosidade para com as gentes de Sesimbra.

O seu exemplo e valores poderão inspirar-nos (ao longo da nossa vida), nos momentos de maior dúvida.

É esta personagem que te convidamos a descobrir ou a melhor conhecer, nos livros da nossa biblioteca, nas exposições sobre o navegador, no painel de azulejos do nosso bar ou na internet...


Texto da autoria do Departamento de Ciências Sociais e Humanas